Nissan Juke Nismo RS 1.6i DIG-T 214 cv 4x4i X-Tronic 30th Anniversary

Emoções compactas

Nissan Juke Nismo RS (Fotos: Póvoa de Santa Iria)

Nissan Juke Nismo RS 1.6i DIG-T 214 cv 4x4i X-Tronic 30th Anniversary (Fotos: Póvoa de Santa Iria)

O Nissan Juke tem uma imagem decididamente compacta. Curtinho e bojudo, parece um cão de fila pronto a atacar. E nem os olhinhos de sapo disfarçam a garra que nele reside. De série, entenda-se. Agora, com a Nissan a promover alterações cirúrgicas na imagem e nas performances do seu farol desportivo, o Juke Nismo RS, este tornou-se num compacto de emoções. Ainda mais fortes.

O Juke Nismo RS 4x4i é um compacto de emoções fortes

O Juke Nismo RS 4x4i é um compacto de emoções fortes

Curiosamente, na versão com tração às quatro rodas (4x4i), que está equipada com a caixa automática X-Tronic de 8 relações, não é nada disso que os números dizem! Que é como quem diz, desta feita os números… enganam!

O Juke Nismo RS 4x4i tem "apenas" 214 cv - menos 4 que a versão 4x2

O Juke Nismo RS 4x4i tem “apenas” 214 cv – menos 4 que a versão 4×2

Se não, vejamos: o Nissan Juke Nismo RS 1.6 DiG-T 4x4o X.-Tronic 30th Anniversary tem, de facto, mais 14 cv que a versão “apenas” Nismo: 214, contra “apenas” 200. Mas é tudo; em tudo o mais, perde – tem menos 4 cv e menos 30 Nm de binário (250 contra 280) que a versão equivalente 4×2 (que tem 218 e caixa manual de 6 velocidades); em relação a esta, é mais lento 20 km/h (200 contra 220 – mais 2 que a versão de 200 cv, que “dava” 218 km/h); demora 8 s a ir dos 0 aos 100 km/h, mais 1 s que a versão 4x2i e mais 0,2 s que a versão anterior; enfim, consome mais (7,4 contra 7,2) e emite mais CO2 (169 contra 165 g/km) que a versão 4x2i, muito embora estes possam ser considerados valores meramente residuais.

Este Juke Nismo destaca-se precisamente pelas letras RS na grelha dianteira

Este Juke Nismo destaca-se precisamente pelas letras RS na grelha dianteira

Isto, é o que os números dizem. Mas não é por isso que deixa de ser um concentrado muscular notável, transformando-o num compacto de emoções e num dos “crossovers” compactos mais interessante e endiabrado de conduzir.

Mas afinal o que é isto?

A Nissan criou este Juke tão especial no 30º aniversário da Nismo

A Nissan criou este Juke tão especial no 30º aniversário da Nismo

“Isto” é o resultado de um exercício comemorativo dos 30 anos da divisão desportiva da Nissan – a Nismo que prepara, entre outros, os Nissan GT-R que participam em vários campeonatos de GT um pouco por todo o Mundo, incluindo a Blancpain Series.

As belíssimas jantes de 18" são exclusivas desta versão

As belíssimas jantes de 18″ são exclusivas desta versão

Para fazer a diferença em relação ao Juke Nismo de 200 cv, a Nissan ofereceu a este RS umas vestes ainda mais agressivas e desportivas, onde o destaque vai inteirinho para a iluminação em LED, o “spoiler” dianteiro que direciona o ar para as laterais; o difusor traseiro, que melhora o fluxo de ar sob o veículo; os grandes discos de travões com maxilas em vermelho; e, claro está, a identificação Nismo RS, com o “O” vermelho, na grelha e atrás, num traço decididamente distintivo do modelo.

O visual do Juke Nismo RS é o de um concentrado de músculos

O visual do Juke Nismo RS é o de um concentrado de músculos

O resto das diferenças já ultrapassa o plano meramente estético. A suspensão é mais firme, o que elimina na prática o rolamento da carroçaria, cujo centro de gravidade é mais elevado que num automóvel; é exclusivo do Nismo RS a combinação do sistema de tração 4x4i com o motor 1.6 DiG-T – que não existe no Nismo normal. De série, o

Bla

O difusor e o “aileron” traseiros são distintivos desta versão do Juke Nismo

equipamento adiciona o Escudo de Proteção Inteligente (sistema de monitorização de ângulo motor, detetor de objetos em movimento e alerta de saída involuntária de faixa); sistema de tração 4×4 ativo em função do cálculo do binário em cada roda (no 4×2, existe um diferencial dianteiro autoblocante); câmara de visão 360º; faróis de xénon e “bacquets” Recaro em pele.

O Juke Nismo RS 4x4i tem apenas caixa automática e isso reflete-se na estrada

O Juke Nismo RS 4x4i tem caixa automática e isso reflete-se na estrada

Na versão 4×4, é por patilhas, situadas por trás do volante. o comando da caixa X-Tronic, uma automática CVT de variação contínua com oito relações pré-programadas. Estas, quando insistimos em usá-las no modo automático, obrigam o motor a rodar numa relação mais baixa (p.e, 7ª em vez de 8ª…), com reflexos nos consumos e, em especial, no ruído a bordo. Por isso, o melhor mesmo é usar a caixa no modo manual, passando as relações com as duítas patilhas: é mais rápido, menos gastador e mais silencioso…

Os consumos são também penalizados pela caixa automática

Os consumos são também penalizados pela caixa automática

Na verdade, este é o único senão do Nismo RS – se nos “esquecermos” dos consumos, que dificilmente baixam dos 10 l/100 km/h, em ritmo brandos – disparando para cima dos 17 se quisermos retirar um maior gozo ao volante.

O comportamento deste Juke é realmente exemplar e único

O comportamento deste Juke é realmente exemplar e único

Que, é preciso que se diga, é memorável. O Juke Nismo-RS, com a sua suspensão mais rija. Deixa de enfermar do rolamento da carroçaria, que existe noutras versões e torna-se um “kart” a saltitar, lá no alto (para mais, esta versão tem umas magníficas jantes negras diamantadas, de 18’, calçadas com pneumáticos 225/45, de curva para curva, agora sem fugir de frente e com a traseira a acompanhar, de forma deliciosa, o contornar do desenho das curvas. É este o elemento natural do Juke Nismo-RS, num primor de reações que em muito abonam as capacidades dos homens da aniversariante Nismo em produzir prazer estrada fora.

Apesar do prazer de condução o preço mais elevado pode condicionar a escolha

Apesar do prazer de condução o preço elevado pode condicionar a escolha

O preço, esse, pode ser dificilmente explicável para quem não tenha (verdadeiro) sangue na guelra: o Juke Nismo RS 4x4i é uns 3.400 euros superior ao do Nismo RS 4x2o – que, por sua vez, está uns 2.700 acima da versão sem ser RS. É que as vantagens de se ter tração total nem sempre vêm ao de cima, pois Portugal não é um país muito chuvoso e, muito menos, com muita neve durante o ano. E, por outro lado, raramente um habitante das cidades sai para os campos para trepar encostas e atravessar areais ou lamaçais. O mais a que está habituado é a subir passeios se a cortar poças de água… da chuva. Para isso, não é preciso tre tração (também) às rodas de trás…

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Mas o difícil é encontrar um "crossover" tão divertido como este

Mas o difícil é encontrar um “crossover” tão divertido como este

Motor: Diant. transv., 4 cil. em linha,  1.618 cc, 2 árvores de cames à cabeça, 16 v., turbo c./”intercooler”, inj.indireta a gasolina; Potência (cv/rpm): 214/6.000; Binário Máx. (Nm/rpm): 250/2.400 – 5.600; Vel. Máx. (km/h): 200; Acel. 0-100 km/h (s): 8,0; Consumos (l/100 km): 7,4; Consumos AutoanDRIVE (l/100 km): 8,7; Emissões CO2 (g/km): 169; Preço (euros): 34.875

Esta versão do Nismo RS custa quase 35 mil euros

Esta versão do Nismo RS custa quase 35 mil euros

Texto: Hélio Rodrigues; Fotos: C.Santos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s