Mazda6 Sedan 2.2 SKYACTIV-D 175 Excellence Navi AT

Alma em movimento

Mazda

Mazda6 Sedan 2.2 SKYACTIV-D 175 Excellence Navi AT (Fotos: Santuário de Nossa Senhora do Loreto, Alcafozes e Idanha-a-Velha)

A Mazda chama-lhe Kodo, palavra simples e cheia que quer dizer Alma em Movimento. Olhando para o novo Mazda6, que pouco mais que nada recebeu a mais na sua belíssima imagem estética, percebe-se perfeitamente porquê. Talvez seja pela sua rutilante cor vermelha, mas o facto é que encanta e o torna num dos mais belos exercícios de formas existente no mundo das carroçarias de quatro portas. Viajar nele, embalado pelo som ambiente, é um exercício de conforto quase ímpar no segmento.

A Mazda retocou o "6" vincando-lhe a personalidade ainda mais

A Mazda retocou o “6” vincando-lhe a personalidade ainda mais

Pronto: a diferença neste novo Mazda6 está em que a Mazda lhe retocou a frente, vincando-lhe a personalidade com a asa de assinatura na grande grelha, que foi redesenhada, mais proeminente e marcante, e com as óticas full-LED a criarem uma assinatura luminosa mais ousada e desportiva. As jantes de 19” em alumínio, com tratamento escurecido, também ostentam um “design” específico e novo, mais dinâmico. A Alma em Movimento deteta-se ainda nos guarda-lamas proeminentes e na cabina que se prolonga até à traseira, que é tipo ”coupé”. No resto, está igual ao Mazda6 de 2013. Isto, por fora – já que as grandes alterações existem lá dentro.

Melhorar o que já era bom

A Mazda evoluiu o interior do "6" levando-o para mais perto de um carro premium

A Mazda evoluiu o interior do “6” levando-o para mais perto de um carro premium

Foi este, sem dúvida, o “leit-motiv” da Mazda, ao evoluir o seu “6” – torná-lo cada vez mais próximo de uma identidade “premium”, no equipamento, no “design” interior, na qualidade – que deixou de ser somente percetível, para se tornar real – e no espaço, que até é referencial nos bancos traseiros.

Os materiais possuem muito mais qualidade e a ergonomia é mais perfeita

Os materiais possuem muito mais qualidade e a ergonomia é mais perfeita

O interior, por isso, foi quase totalmente renovado. Disposto de uma forma mais metódica e virada para o condutor, possui materiais de elevada qualidade e harmoniosos e elegantes pormenores estéticos. A consola central foi redesenhada e é maior. O painel de instrumentos tem também um novo “design” e as saídas de climatização são mais atuais. A manete da caixa de velocidades automática é também diferente e agora mais desportiva, através de inserções em alumínio. Inserções estas que podem observar-se igualmente nas pegas das portas, enquanto os materiais são mais macios ao toque, nomeadamente no volante e nos forres das portas e do painel de instrumentos. Em estreia no Mazda6, destaca-se o travão elétrico, que só por si aumenta o espaço convivial disponível a bordo, com a eliminação da sempre intrusiva alavanca do travão de mão.

Atrás a distância para os bancos da frente é referencial

Atrás a distância para os bancos da frente é referencial

Porém, é na maior capacidade de interatividade com o exterior que o Mazda6 agora se destaca. O “head-up cockpit”, já existente nos novos Mazda2 e Mazda3, foi adotado agora também no “6”, cujo habitáculo está mais espaçoso e, com ele, promoveu um maior “interface” homem-máquina, tornando-o numa extensão do condutor. Para isso ser ainda mais evidente, existe o comando rotativo na consola central, que gere todas as ajudas à condução de forma intuitiva e sem exigir que o condutor retira os olhos da estrada. Entre essas funções, estão as diversas concetividades permitidas pelo sistema da Mazda MZD Connect, que inclui não apenas uma “app” de rádio Aha, que congrega mais de 100.000 emissoras, mas também opera com base em “smartphones”, baseando-se em sistemas como o Bluetooth, “e-mail”, SMS e navegação.

Devorador de estradas

Em termos dinâmicos o "6" é mais confortável que ágil

Em termos dinâmicos o “6” é mais confortável que desportivo

Em termos dinâmicos, apesar de não possuir possibilidade de escolher entre tipos de afinação de suspensão diferente, como acontece nos seus rivais, a verdade é que a Madza, ao optar por outro tipo de tratamento, reestruturando a suspensão para que o contacto com estrada ficasse ainda mais suave, garantindo mais conforto e melhorando a estabilidade, tornou o seu sedan “6” ainda mais refinado. Em asfalto liso, rola com uma suavidade de veludo, sem sobressaltos e somente em pisos mesmo degradados surgem algumas vibrações. A direção é precisa e rápida, reagindo com suavidade a movimentos mais bruscos do volante.

A diração é precisa e informativa reagindo bem às solicitações do volante

A diração é precisa e informativa reagindo bem às solicitações do volante

As transferências de massa raramente são colocadas em causa e a agilidade apenas fica comprometida ligeiramente com o grande volume da carroçaria, em especial o seu comprimento e uma distância entre eixos de 2,830 metros – isto, quando se quer provocar o “6” com uma condução efetivamente desportiva. Todavia, nada de excessivo, pois já se sabe: o Mazda6 não é um automóvel desportivo…

O habitáculo foi insonorizado com materiais mais reforçados

O habitáculo foi insonorizado com materiais mais reforçados

O seu conforto foi elevado a níveis superiores, através de uma maior insonorização do habitáculo. A velocidades mais elevadas é excelente, apesar da existência de pequenos ruídos aerodinâmicos, oriundos da esquina superior do pilar das portas dianteiras. Mas, nada de alarmante ou realmente perturbador.

O motor de 175 cv está associado a uma transmissão automática de seis velocidades

O motor de 175 cv está associado a uma caixa automática de seis velocidades

O motor 2.2 SKYSACTIV-D, concebido com materiais leves, tinha nos seus 175 cv potência mais que suficiente, bem acolitada por uma transmissão automática de seis velocidades, rápida e eficaz, sem sobressaltos ou hesitações nas passagens, cujo tempo de resposta podia ser acelerado através das patilhas no volante. Os consumos, porém, ficaram um pouco além dos anunciados pela Mazda, nunca conseguindo fazê-los baixar dos 7,1 l/100 kms, apesar da existência do sistema iStop, que pára o motor no trânsito citadino ou quando o carro se imobiliza. Os motores franceses surgem mais económicos, com níveis superiores de potência e transmissões semelhantes…

A unidade ensaiada estava nivelada no topo do equipamento

A unidade ensaiada estava nivelada no topo do equipamento

A unidade ensaiada estava nivelada no topo superior de equipamento que, portanto, era bastante completo. E inclui itens como câmara de marcha atrás, sensores de estacionamento dianteiros e tarseiros, bancos em pele aquecidos, ou sistema de navegação integrado com ecrã de toque de 7” em head-up display. Além disso, exibe também várias tecnologias de segurança, como os faróis full LED adaptativos, o sistema de aviso à saída involuntária da faixa de rodagem (LAS, Lane-Keep Assist Systema); vigia e monitorização de ângulos mortos (BSM, Blind Spot Monitoring), com controlo de máximos automáticos (HBC, High Beam Control); sistema de alerta para cansaço do condutor (DAA, Driver Attention Alert) – que funcionou estridentemente, quando me “distraí e retirei as mãos do volante, ao dialogar com a pessoa ao lado…; o controlo

Os consumos são algo elevados e acima dos 7 l/100 km

Os consumos são algo elevados e acima dos 7 l/100 km

de distância para o veículo da frente, travando caso seja necessário para evitar uma colisão, entre os 4 e os 30 km/h (SCBS, Smart City Brake Suport); o alerta quando o condutor se aproxima demasiado depressa de um obstáculo ou veículo mais lento à sua frente, sem reagir, entre os 15 e os 145 km/h (SBS, Smart Brake Suport); o radar de segurança, que mantém a distância para o veículo da frente, a velocidades até aos 200 km/h (MRCC, Mazda radar Cruise Control); enfim, o sistema que ativa de imediato os quatro piscas de emergência, em caso de travagens bruscas (ESS, Emergency Stop Signal). Isto, para lá dos corriqueiros sistemas de ABS com EBD, EBA, DSC e TCS, que controlam a força de travagem estabilidade e tração do veículo… ou o sistema de ajuda em subida (HLA, Hill Launch Assist). Quase tudo, portanto, para que a sua viagem seja mesmo segura, confortável… e por menos de 45.000 euros.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

O Mazda6 é uma excelente alternatica aos "tradicionais" segmento C ocidentais

O Mazda6 é uma excelente alternatica aos “tradicionais” segmento C ocidentais

Motor: Diant. transv., turbo-Diesel, quatro cilindros em linha, 16 v., 2.191 cc, turbo de geometria variável, inj.directa c./“common rail”, e “intercooler”; Potência (cv/rpm): 175/4.500; Binário Máx. (Nm/rpm): 420/2.000; Vel. Máx. (km/h): 216; Acel. 0-100 km/h (s): 8,4; Consumos (l/100 km): 4,8; Consumos AutoanDRIVE (l/100 km): 7,3; Emissões CO2 (g/km): 127; Preço (euros): 44.815,64 (48.415,64, c./Pack Leather + Pack Cruise)

Os preços começam nos

Os preços começam nos 44.815,64 euros

Texto: Hélio Rodrigues; Fotos: C.Santos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s